Inscreve-te! Ligue-nos
938 374 146
Rua Nova de Sonhos, 61 4445-416 Ermesinde

Estilos de Karate

A um espectador não conhecedor, dá a sensação de que um estilo de Karaté praticado por este ou por aquele clube não apresenta diferenças nem uma especial particularidade. Porém, para os praticantes dos diversos estilos, as diferenças de concepção de técnica e mesmo das bases fundamentais, são bem distintas e muitas vezes irredutíveis. Cada um julga estar na posse da verdadeira ciência e do verdadeiro segredo, caminhando pois, na via do Karaté que considera melhor. Esses pontos de vista assemelham-se muitas vezes ao fanatismo das religiões e desembocam, como essas religiões, no mesmo fim. Há uma grande multiplicidade de “escolas” com diferentes estilos de Karaté. No Japão, podemos contar 15 ou 20 diferentes. Estas serão as mais válidas, estabelecendo o programa de ensino através dos Katas e indicando ainda os Katas necessários a uma progressão de graduação. Dessas escolas, só serão referidas as cinco mais importantes e conhecidas na Europa.

O Shotokan – J.K.A   

O lema do estilo Shotokan, o mais codificado e directamente ensinado e estabelecido pelo mestre Gichin Funakoshi e seu filho Yoshitaka Funakoshi, é “força, velocidade e endurance”. No entanto, em princípio, é uma técnica baseada no trabalho a longa distância e em contracção de movimento. Os Katas oficiais são os Taykyokus, Heians, Tekkis, Kankus e Bassai, hoje editados minuciosamente em magníficos volumes por Masatoshi Nakayama, chefe instrutor da Japan Karaté Association. Contudo, mesmo no seio do Shotokan, existe ainda nova cisão baseada no ensino dos mestres Egami e Harada, Oshima e Murakami, que dirigem a Escola Shotokai. É um estilo muito fechado, que se detém, sobretudo, sobre o aspecto mental do Karaté. O Shotokan é o estilo mais difundido na Europa (agrupando cerca de 70 por cento de efectivos do Karaté no exterior do Japão) talvez por ser a técnica mais racionalizada e com um programa didáctico mais definido, mais sóbrio e clássico.

          

O Kiokushinkai

Não poderia deixar de se citar o estilo Kiokushinkai, do Mestre Masutatsu Oyama. Oposto ao Shotokan, tem de espectacular o que o o Shotokan e o Shotokai possuem de sobriedade. Os volumes do Mestre Oyama estão recheados de proezas fantásticas em testes de quebra (Swiwari). Os Katas são mais complicados e pouco conhecidos na Europa: Osurhiho, Seienchin, Garyu, etc.. A guarda de combate é estabelecida a partir de Neko-Ashi-Dachi, posição que define praticamente a particularidade do estilo Kiokushinkai. Este método é praticado em todo o mundo e bastante difundido na América, onde o mestre Oyama efectuou um tournée que deixou todo o público abismado com tal potência.

 

O Goju-Ryu

Esta técnica é a tendência de estilo do velho Mestre Higaonna. Este verdadeiro gigante, de força hercúlea, era partidário dos bloqueios estáticos, para dai poder efectuar o contra-ataque em contracção máxima. Daí resulta uma série de movimentos e posições mais altas e de pouca amplitude, mas de tremendo poder. Os Katas desta escola são : Sanchin, Tensho, Sanseru, Suparinpei , etc.. Este estilo é muito eficaz no combate próximo. O lema deste estilo é: “A força opõe-se ao souplesse, e o souplesse opõe-se à força”. O mestre actual é o Mestre Morio Higaonna, 10º Dan. Também praticou este estilo o Mestre Gogen Yamaguchi, mais conhecido por “gato”, que numa idade avançada mantinha uma forma excepcional dirigindo a Escola Associação Goju-Kai (sub estilo do estilo Goju-Ryu e praticamente desconhecido na Europa), com cerca de 6000 participantes. O Mestre Gogen Yamaguchi faleceu em 1989 com 70 anos de idade. Uma das especialidades desta Escola é a execução dos Katas com uma respiração ventral sonora. Este estilo foi fundado no Japão por Chojun Miyagi e é praticado actualmente em praticamente todo o Mundo. Gogen Yamaguchi, personagem e síntese do Zen-Karaté, 10.º Dan e patriarca do Goju-Kyu, é, com efeito, uma das figuras vivas que atestam o Karaté com forma quase sobrenatural. Sobrepõe-se, por isso, às várias divergências sobre a diferença dos estilos, tão apanágio nos graus mais baixos da Europa. Diz-se de Mestre Yamaguchi que o “seu olhar é tão penetrante como um tigre”, e o seu “poder semelhante ao de um leão”. De facto, a impressão do contacto com um karateca que atingiu o fim do caminho, ou mesmo com os seus discípulos, deve ser única.Contactar com mestres cuja evolução atingiu a “completa visão”, “completa compreensão”, “completa acção”, “completa vocação”, “completa aplicação”, (as verdades do Zen), é receber deles os meios de atingir o “completo acordar”, o fim do Karate-Zen, o “sayori”.

O Wado-Ryu

Este estilo é a concepção do Karaté inteiramente japonesa, criado, depois da guerra, pelo japonês Hironari Otsuka. Este aprendeu o Karaté de Funakoshi, separando-se depois deste para ensinar o seu estilo de Karaté. Este estilo, que incide particularmente sobre as posições altas e de técnicas na maioria baseadas sobre a esquiva, tem como Katas fundamentais de ensino, por exemplo, os Pin-An, Kushaku, e Seishan. Os Katas Pin-An, diferem pouco dos Heians, podendo considerar-se os Katas Heians como diferenças de interpretação. O sistema de treino é menos penoso que o Shotokan, não existindo a concentração de potência e sendo os movimentos menos sincopados. Este tipo de Karaté é representado na França pelo Mestre Mochizuki, conselheiro técnico da Federação Francesa de Karaté, e em Inglaterra pelo Professor Suzuki, autor do livro “Karate-Do Wado-Ryu”.

O Shito-Ryu e as escolas Coreanas e Chinesas

A técnica representada em França por Nambu foi inventada e codificada pelo Mestre Kenwa Mabuni. É a técnica de competição ideal, visando sobretudo o combate directo contra um único adversário (em contraste com o ideal do Karaté, que é combater um número de adversários sem limite), Possui interessantes Katas, que são também estudados na Escola Shotokan, como os Shozuki, Saipa, Saifa, Kosoku, entre outros.